Logo Positivo Infomática

Positivo Informática

IMPRENSA - ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Empresa de tecnologia médica, Hi Technologies, se associa à Positivo

04/04/2016 - Positivo Informática

Curitiba, 04 de abril de 2016 – Você deve estar familiarizado com o conceito de start-up, aquelas empresas inovadoras com pouco tempo de mercado e alto potencial de crescimento. Mas você já ouviu falar nas scale-ups? De acordo com a Endeavor, a mais renomada instituição especializada em empreendedorismo do Brasil, são empresas que estão mudando de patamar, se tornando grandes. Para se ter uma ideia da importância dessas scale-ups, em média, enquanto uma empresa “normal” contrata 0,34 funcionário por ano, ela gera 31 novos empregos. Portanto, são 100 vezes mais oportunidades para quem está de olho no mercado de trabalho nessas empresas que estão em amplo crescimento.

E uma dessas scale-ups atraiu a atenção do mercado. Instalada em Curitiba (PR), a Hi Technologies, ou simplesmente HiT, desenvolveu inicialmente um sistema de telemedicina e, hoje, produz oxímetros, aparelhos para monitoramento de partos, sistemas de laudos de eletrocardiogramas e detectores de apnéia do sono. Em busca de investidores, os sócios da HiT bateram à porta da Positivo, também localizada na Cidade Industrial de Curitiba, para apresentar a empresa e seus produtos. “Nosso foco é reinventar e humanizar a tecnologia médica com a HiT e já o havíamos apresentado a diversos fundos de investimento, cujas conversas não nos entusiasmaram porque não encontrávamos quem compartilhasse da nossa missão. Quando fomos à Positivo, nós percebemos de imediato que a proposta de valor da nossa empresa havia sido compreendida e que havia muita sinergia na forma como enxergamos a inovação, o que facilitou as nossas próximas conversas e nos fez evoluir com a negociação rapidamente”, destaca Marcus Figueredo, 32 anos, CEO e cofundador da HiT, com Sérgio Rogal Júnior, 33, CTO da empresa.

O também empreendedor Hélio Bruck Rotenberg, 54, presidente da Positivo, conta que estavam no radar da companhia algumas iniciativas vinculando tecnologia e medicina. “Para nós, já estava claro que há um mercado gigantesco para dispositivos que ajudem na prevenção e no diagnóstico de doenças. Quando passamos a discutir mais a fundo a proposta da HiT, entendemos que haviam criado produtos fantásticos e que, juntos, poderíamos estudar formas de ampliar performance e ganhar escala de produção para atender a demanda que está reprimida”, ressalta Hélio, que dá mostras de estar pensando alto sobre os próximos passos da HiT. “De olho no futuro, por que não trabalharmos para tornar esses aparelhos globais, para auxiliar no monitoramento de epidemias, por exemplo?”, questiona. Em 1988, o próprio Hélio foi o principal responsável por fundar a Positivo, após vislumbrar uma janela de oportunidades que ocorria no Brasil: a demanda pelo uso de computadores pessoais. Do desenvolvimento de um software e da montagem de PCs para escolas, a companhia se transformou na maior fabricante brasileira de computadores e uma das grandes fomentadoras do processo de inclusão digital no Brasil. Hoje, se destaca como uma das principais fabricantes de dispositivos do Brasil e da Argentina, além de estar estrategicamente expandindo sua atuação para Américas e África.

Em janeiro, a Positivo concluiu a compra de 50% da HiT. Figueredo e Rogal permanecem na direção da companhia e, desde então, vêm trabalhando junto com a Positivo para criar as condições para que a sociedade alcance novos patamares. O intuito é poder contar com a experiência e a escala da Positivo sem limitar a agilidade e a capacidade criativa da HiT. Diversos processos da companhia estão sendo revistos, desde os aspectos ligados à administração até áreas como a compra de insumos e desenvolvimento de produtos. Para apoiar os empreendedores na tomada de decisões estratégicas, está sendo criado um conselho administrativo. Como fruto desse trabalho, além de ofertar ao mercado um portfólio completo e atualizado de produtos, em breve, a HiT vai trazer ao mercado novos produtos que irão ampliar sua área de atuação.

Da universidade para hospitais de todo o país

A HiT nasceu como uma empresa totalmente virtual em 2004, na Incubadora Tecnológica de Curitiba (Intec), com o desenvolvimento de um software para monitoramento remoto de pacientes. Um ano antes, o projeto havia começado na universidade, quando Figueredo, Rogal e outros três estudantes criaram esse sistema de telemedicina que se adaptava a qualquer equipamento médico, por influência de um professor pesquisador do assunto. Em 2005, o sistema foi a primeira patente da HiT, batizada de Rede OpenVida.    

“Mesmo após patentearmos o sistema, visitamos dezenas de médicos e hospitais durante dois anos e não efetivamos nenhum negócio. Estávamos com vinte e poucos anos e não havia abertura do mercado médico naquele momento para comprar de novatos”, conta Figueredo. Pelo caminho, ficaram três dos colegas empreendedores, que preferiram seguir a carreira acadêmica. “Nós, porém, nunca deixamos de acreditar que seria possível reinventar a tecnologia médica e humanizá-la, especialmente quando ouvimos de um médico que ele havia salvado um paciente graças ao nosso aparelho. Nesse momento, não podíamos mais parar”, acrescenta Figueredo.   

Foi em 2007 que as portas começaram a se abrir para a HiT quando ganhou seus primeiros prêmios: o FINEP de Inovação Região Sul e o Ozires Silva de Empreendedorismo ISAE/FGV. Nesse ano, finalmente, conseguiu efetivar as primeiras vendas. Por meio de financiamentos facilitados pelos reconhecimentos recebidos até ali, em 2008, Figueredo e Rogal voltaram à incubadora, desta vez para desenvolver os primeiros equipamentos médicos. Desde o início, esse era o objetivo, não concretizado até então por falta de investimento. Para que fosse possível tirar os planos do papel, contaram com o suporte de instituições como Sebrae, CNPq e FINEP.

Do papel à prototipagem, foram dois anos para o desenvolvimento do oxímetro de pulso, um equipamento customizável que monitora os pacientes nas mais diversas situações, por exemplo, em ambulância, sala de cirurgia, quarto ou posto de saúde, dependendo do aplicativo instalado. Em 2011, ocorreu o lançamento oficial com excelente receptividade do oxímetro da HiT durante Feira Hospitalar em São Paulo, a maior do país. Depois disso, vieram os equipamentos específicos para detecção de cardiopatias em recém-nascidos, para registrar e monitorar o progresso do trabalho de parto e para monitoramento de sono, todos eles cerficados pelo Inmetro, Anvisa e por todos os demais órgãos que regulam este segmento.

E os reconhecimentos também não pararam por aí. Entre outros prêmios, em 2015, a HiT foi a vencedora do Prêmio Nacional de Inovação na divisão Inovação Tecnológica, da Confederação Nacional da Indústria (CNI). Nas feiras médicas que participaram em diversas partes do mundo, os sócios viram suas iniciativas serem valorizadas e efetivaram vendas para países como Estados Unidos, Malásia, Alemanha, Espanha e França, por exemplo, este último, inclusive, onde ainda estudam a implantação de uma unidade própria de pesquisa & desenvolvimento e de produção com o suporte do governo local.   

"Nós sempre sonhamos alto e, certamente, iremos mais longe com a parceria da Positivo. Juntos, mantemos a mesma missão que nos trouxe até aqui de reinventar e humanizar a tecnologia médica de forma que possa chegar, mesmo que de forma remota, a todos os cantos do país. Hoje, nós estamos em 100 hospitais no Brasil, em 22 estados, mas há 5 mil estabelecimentos que podem mudar a forma de praticar a medicina ao utilizar os nossos aparelhos, sem falar em serviços como homecare. Olhamos de forma global e as possibilidades são infinitas”, destaca Figueredo.

Atualmente, há aparelhos da HiT em uso no mundo todo. E um dos médicos que inseriram o oxímetro em sua rotina com sucesso foi o neonatologista Ênio Machado, de 53 anos. Segundo ele, quando saiu a obrigatoriedade do “Teste do Coraçãozinho” para triagem neonatal de Cardiopatias Congênitas Críticas em recém-nascidos, em 2013, pesquisou para saber qual era a melhor opção para a realização do exame e conheceu o aparelho HiT para Teste do Coraçãozinho. Desde então, na Maternidade Curitiba, o teste é realizado somente por meio dele em cerca de 10 pacientes por dia. Nos três anos de uso, o médico estima que foram realizados aproximadamente 9 mil exames em pacientes da Maternidade Curitiba e de outros hospitais que a indicam, pelo fato de ser mais preciso que o oxímetro convencional. 

Segundo o doutor Ênio, os maiores benefícios do dispositivo são a comodidade que adiciona à rotina de trabalho e a possibilidade de armazenar os resultados e compartilhá-los com os pais. “Eu sou muito criterioso no que eu faço e posso afirmar que este tipo de tecnologia facilita o dia a dia e traz segurança ao trabalho médico, ao emitir um laudo em dois minutos com toda precisão. Desde que adotamos o aparelho, dos meus pacientes, cinco testes do coraçãozinho mostraram alterações. Quatro pacientes foram encaminhados para especialistas para a realização de exames e, em um caso específico, o diagnóstico rápido foi imprenscindível para o encaminhamento de um recém-nascido para o Hospital Pequeno Príncipe para realizar uma cirurgia que salvou a vida do bebê”, exemplifica o neonatologista. A assistência prestada pela HiT também é um fator positivo, de acordo com o médico. “A HiT forneceu todo suporte e treinamento necessário para o pleno funcionamento do dispositivo, que é atualizado constantemente. Além disso, vários feedbacks que demos à equipe foram ouvidos e aplicados ao produto, como a inserção de letras nos prontuários e melhoras nos compartilhamentos dos laudos, entre outros”, complementa o doutor Ênio.

Os parceiros que já adotam os aparelhos da HiT identificam benefícios logo nos primeiros meses de uso. “Eles relatam vantagens como diminuição de custos, maior performance e agilidade no tratamento, melhor controle e acompanhamento das vidas monitoradas e menos internações. Mas, mais importante que tudo isso, há um potencial gigante para melhorar a vida das pessoas e salvar mais e mais vidas, e essa foi mais uma motivação para fazermos parte deste projeto”, reforça Hélio.

Os produtos

A preocupação com o design é um dos grandes diferenciais da HiT e de seus produtos inovadores, pensados para gerar a melhor experiência para os usuários com sua interface intuitiva. A obsessão pelos detalhes foi o que os empreendedores da empresa batizaram de tecnologia/arte. “Nós trabalhamos com o conceito de Innovation by Design, ou inovação pelo design, que é interpretar as mudanças socioculturais e repensar os produtos baseando-se em relações emocionais e afetivas que irão de encontro às necessidades dos usuários”, destaca Rogal.

A inovação, que gera vantagem competitiva especialmente ao trazer mais facilidade de uso e resistência aos equipamentos, está em todos os detalhes dos produtos HiT. Um exemplo é o bipe frequente ouvido em outros equipamentos da mesma categoria e que gera desconforto ao paciente. No oxímetro (imagem à esquerda), graças a técnicas de inteligência artificial, ouve-se um som melódico se a condição do paciente for alterada, além de aparecer um sinal gráfico diferenciado no monitor para atrair a atenção dos profissionais de saúde, sem levar pânico aos pacientes ou aos seus familiares. Outro ponto de diferenciação no design é que, como equipamentos hospitalares são derrubados com frequência, este traz em seu acabamento lateral borrachas que absorvem impactos e garantem maior robustez, junto com o suporte metálico que o acompanha. O produto, junto com softwares específicos, está disponíveis para compra ou aluguel nas seguintes versões:

Oxímetro: Versátil, pode ser utilizado em hospitais, ambulâncias e residências em pacientes adulto, pediátrico e neonatal. Com alta precisão em movimentos e em baixa perfusão, monitora os quatro sinais vitais com curva pletismográfica: SpO2, Pulso, Índice de Perfusão e Índice de Variabilidade de Perfusão. O equipamento vem com tela sensível ao toque e Wi-Fi.

Teste do Coraçãozinho: É preparado para fazer a triagem dos bebês que apresentam Cardiopatias Congênitas Críticas, cerca de 1 a cada 100 crianças. O aparelho (à direita) monitora o nível de oxigênio no sangue do bebê entre 24 a 48 horas de vida. Quando os níveis de oxigênio forem inferiores a 95%, pode indicar possibilidade de haver um defeito no coração. Nesses casos, o paciente já pode ser encaminhado para a realização de mais testes e para tratamento, se necessário.

Sleep: Monitora o sono a noite toda de maneira confortável com o uso de um sensor de dedo. O aparelho é indicado para pacientes com distúrbio do sono, como apnéia do sono, que, se não diagnosticada e tratada, pode ocasionar ou agravar diversas doenças, como diabetes, obesidade, hipertensão, insuficiência cardíaca, infarto, arritmia cardíaca, AVC, entre outros.

Partus: É um sistema que registra e monitora o progresso do trabalho de parto, de maneira que qualquer atraso ou desvio do normal é detectado e informado ao usuário.

Os criadores da HiT

  • Marcus Figueredo (à direita) é engenheiro de computação, doutor e mestre em informática pela Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUC-PR). Possui diversos trabalhos científicos publicados no exterior, além de dois capítulos em livros internacionais sobre inteligência artificial. É autor também de várias patentes relacionadas à telemedicina e equipamentos médicos. Marcus já ganhou diversos reconhecimentos individuais, dos quais vale destacar o Prêmio de Ciência e Tecnologia do Estado do Paraná, o Prêmio Marcelino Champagnat (PUC-PR) e o Prêmio Jovem Empreendedor (Assembleia Legislativa do Estado do Paraná). Sob seu comando, a Hi Technologies recebeu diversos prêmios e reconhecimentos pela sua inovação, tais como o Prêmio Nacional de Inovação (2014), Prêmio Anprotec (2015 e 2010) e Prêmio FINEP de Inovação (2007). O design inovador dos produtos da sua empresa ganhou o Prêmio Idea e reconhecimentos no exterior, como na Alemanha e nos Estados Unidos.
  • Sérgio Rogal Júnior é engenheiro de computação e mestre em informática pela Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUC-PR). Publicou vários artigos científicos e capítulos em livros sobre inteligência artificial aplicada à telemedicina. Seus trabalhos em detecção e classificação de arritmias cardíacas são considerados estado da arte. Como CTO da empresa, comandou a formação de uma equipe de engenharia e design que ganhou diversos prêmios e reconhecimentos no Brasil e no mundo. É autor de diversas patentes relacionadas à telemedicina e equipamentos médicos. Assim como Figueredo, suas principais áreas de atuação são a telemedicina e a aprendizagem de máquina.
  • Carlos Eduardo Liparotti Chaves é administrador, especialista em administração de pessoas e mestre em administração de empresas pela Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUC-PR). Ingressou na HiT em 2006 como profissional não remunerado com o objetivo de auxiliar a empresa e também ganhar experiência. Não saiu mais. Dez anos depois, é o diretor de Operações, responsável pela produção e distribuição dos equipamentos da empresa.

 

SOBRE A HI TECHNOLOGIES:

A Hi Technologies tem como missão reinventar a telemedicina inspirando-se na humanização, permitindo que os profissionais da saúde se conectem aos seus pacientes por meio dos equipamentos inovadores e customizáveis, desenvolvidos e patenteados pela equipe HiT. Assim, pretende ser uma referência mundial em soluções de telemedicina, reconhecida internacionalmente como uma empresa de tecnologia de ponta focada na prevenção de doenças e no acompanhamento seguro de pacientes. A Hi Technologies conta com investimento e suporte da companhia de tecnologia Positivo. Mais informações disponíveis em http://hitechnologies.com.br/.

 

Compartilhar esta notícia: Compartilhar Página Compartilhar Página

CONTATOS PARA IMPRENSA

ROSA ARRAIS COMUNICAÇÕES

Equipe de atendimento

CADASTRE-SE PARA FICAR POR
DENTRO DAS NOVIDADES DA POSITIVO.