No mundo corporativo, os cargos C-Level são considerados o topo da carreira. Porém, tão grandes quanto o reconhecimento e os benefícios obtidos pelos profissionais que chegam a esse nível, são os desafios que enfrentam. Na área de tecnologia, isso se acentua devido à constante evolução do setor.

E você, conhece os principais desafios dos profissionais C-Level em TI? Quer saber se são os mesmos obstáculos enfrentados pela sua organização? Então continue a leitura deste post e descubra!

Principais desafios dos profissionais C-Level em tecnologia

Antes de abordarmos as principais situações desafiadoras para a área de tecnologia, vale lembrar que há outros profissionais C-Level em TI além do CIO (Chief Information Office).

Embora o CIO seja o responsável pela área, ele compartilha desafios com outros cargos como o Chief Experience Officer (CXO), Chief Information Security Officer (CISO) e o Chief Innovation Office (CINO), entre outros.

Assim, todos eles vivenciam situações que afetam o desenvolvimento de uma área que, mesmo não sendo o core business da companhia, é fundamental para sua operação. Mais que isso, no futuro, ela será decisiva também para a gestão de sucesso. Vamos conhecer esses desafios?

1. O investimento em TI não é visto como prioridade

Em muitas organizações, o setor de tecnologia é visto como um custo necessário, mas não como um investimento. Por isso, ele sofre tanto na distribuição orçamentária quanto na ausência de uma percepção exata do valor do serviço.

A solução para o problema é melhorar a comunicação e trazer indicadores claros de desempenho e resultados. Um deles é o ROI (Retorno do Investimento), das medidas propostas.

Outra atitude importante para vencer esse desafio é buscar uma atuação mais estratégica na organização. O TI precisa mostrar que ele é essencial não só na operacionalização do negócio, mas para aumentar a produtividade (por meio da automatização), reduzir custos e alavancar os lucros da companhia.

2. Utilizar a TI para agregar diferenciais competitivos ao negócio

Apesar do perfil técnico especialista valorizado no passado, entende-se que, atualmente, os profissionais C-Level em TI precisam se tornar mais generalistas.

Mais do que garantir o pleno funcionamento dos equipamentos e sistemas, essas funções precisam entender de fato o negócio em que estão inseridos e seus objetivos corporativos.

Para atuar de forma estratégica, eles precisam saber em profundidade o segmento de mercado em que a organização atua. Somente com essa visão eles poderão pensar em novas formas de utilizar a tecnologia e a inovação para criar um diferencial competitivo.

Portanto, o papel do TI nesse contexto é pensar: “o que a minha empresa pode desenvolver, na área de tecnologia para oferecer o que nossos concorrentes não oferecem?”. Esse é o grande pulo do gato!

3. Assegurar que o TI assuma um papel mais estratégico

Embora lembre o tópico anterior, essa questão é diferente. Enquanto no último item falava em desenvolver algo novo para agregar valor ao negócio, nesse nós falaremos de como utilizar o que já existe para fazer do TI uma ferramenta estratégica.

Na maioria das organizações, a tecnologia ainda é visto como um componente para a otimização operacional. Ela coleta dados, integra informações, automatiza processos etc. Em resumo, realiza tarefas burocráticas que antes eram delegadas a funcionários, e de forma extremamente vantajosa.

No entanto, recursos atuais como o Big Data e Business Intelligence permitem ir além: eles possibilitam “pensar” com a tecnologia e utilizar o cruzamento de um volume gigantesco de dados para prever cenários, tendências e tomar decisões.

Portanto, as organizações que deixarem de ver o TI como mero recurso operacional e o transformarem em um verdadeiro oráculo terão a oportunidade de se destacar no mercado.

Afinal, imagine a possibilidade de tomar uma decisão gerencial sabendo antecipadamente como o mercado reagirá a ela? É uma vantagem competitiva inquestionável!

Para isso, é necessário que outros profissionais C-Level estejam dispostos a assumir que existe um recurso mais poderoso que seu próprio know-how e intuição para analisar o cenário e tomar decisões. Não é uma tarefa fácil, mas é o que os executivos da área de TI podem fazer com a apresentação de dados e resultados.

4. Garantir a segurança dos dados e sistemas

A perda ou o vazamento de dados são igualmente perigosos para as organizações. Eles podem inviabilizar operações ou gerar demandas jurídicas, caso os seus clientes se sintam prejudicados com a divulgação de informações confidenciais.

Por isso, a segurança está entre as principais preocupações — e desafios — dos profissionais C-Level em TI.

Os últimos anos foram marcados por ameaças cibernéticas assustadoras, que atingiram negócios em todos os continentes. Apesar dos esforços e desenvolvimento de ferramentas para combater esse tipo de violação, essa ainda é uma área sensível.

A primeira atitude dos profissionais C-Level em TI deve ser blindar os dados da empresa. Eles precisam se certificar que, do ponto de vista técnico, essas informações não estejam vulneráveis.

O segundo aspecto diz respeito ao usuário. Sabemos que algumas ameaças cibernéticas não teriam a oportunidade de infectar redes inteiras caso o fator humano — ou seja, os colaboradores — não cedessem a comportamentos notoriamente de risco, como simples cliques em links desconhecidos.

Portanto, o desenvolvimento de ferramentas efetivas para a proteção dos dados e a educação do usuário continuam sendo os desafios dos profissionais da área.

5. Conduzir a transformação digital

O conceito de transformação digital tem ganhado espaço. Embora ainda apresente uma forma embrionária em relação ao que se espera para o futuro, a condução desse processo deve ser vista como prioridade pelas organizações.

Por isso, ela precisa estar na pauta do dia para os profissionais C-Level em TI. A capacidade de transformar as empresas atuais em negócios digitais é um diferencial competitivo fundamental para a sobrevivência no mercado.

6. Vencer a guerra de talentos

Em uma área em constante evolução, não é fácil encontrar mão de obra realmente qualificada. Afinal, em TI, o conhecimento do que há de mais inovador hoje estará obsoleto amanhã.

Por isso, os profissionais que realmente se destacam no mercado, tanto pela competência quanto pela atualização, são extremamente disputados.

Cabe ao C-Level em TI entrar nessa guerra de talentos para atrair e reter os melhores profissionais do mercado. A ausência de qualificação é reconhecida como a maior barreira para alcançar o sucesso. A empresa que consegue melhorar seu capital intelectual tem uma oportunidade incontestável de se destacar no mercado e alcançar os seus objetivos.

Para isso, além de oferecer boas condições de trabalho e o reconhecimento devido, as empresas precisam ir além. Os especialistas em Recursos Humanos afirmam que os profissionais que entram no mercado, atualmente, procuram benefícios diferentes dos valorizados pelas gerações anteriores.

Além de salário, benefício e oportunidades de carreira, a nova geração de talentos procura:

  • cultura organizacional com a qual tenha orgulho de se identificar, a partir de uma definição clara de senso de propósito;
  • empresas hábeis no gerenciamento de mudanças;
  • oportunidade para inovar e mudar o status quo.

Mas para que isso aconteça, eles precisam ter liberdade para mostrar que nunca é tarde para aprender novas habilidades, desenvolver novos conceitos ou mudar o foco de seu trabalho e das organizações.

Os profissionais C-Level da sua empresa enfrentam esses mesmos desafios? E quanto aos seus amigos? Que tal compartilhar este post nas redes sociais e perguntar se eles acrescentariam outros itens a esta lista?

Escreva um comentário

CADASTRE-SE PARA FICAR POR
DENTRO DAS NOVIDADES DA POSITIVO.

Share This